Síndrome do Piriforme: saiba como o Pilates ajuda

Pilates e a síndrome do piriforme

O piriforme é o nome de um músculo que fica localizado na região posterior profunda do quadril, bem próximo do nervo ciático. Ocorre que o ciático pode acabar sendo comprimido pelo músculo piriforme, causando uma alteração anatômica nessa estrutura. Essa alteração causa dores intensas e é conhecida como Síndrome do Piriforme.

A Síndrome do Piriforme é, portanto, uma das principais causas de dor na região glútea, provocada pela irritação no nervo ciático, decorrente do aumento da tensão ou espasmo do músculo piriforme. A ocorrência do problema é muito comum, por exemplo, em esportes que envolvem corrida, mudanças de direção ou descarga de peso excessiva.

Quem sofre com a síndrome costuma relatar a presença de dores profundas, que provocam a sensação de queimaduras na região glútea. Além disso, as queixas também incluem a irradiação da dor, como se ela descesse pelas pernas. Os sintomas são potencializados ao caminhar, correr, rotar ou abrir a perna lateralmente.

Diagnóstico, tratamento e prevenção da Síndrome do Piriforme

O rastreio de hábitos do paciente, seu histórico e o exame clínico são fundamentais para o diagnóstico adequado da Síndrome de Piriforme. Ademais, exames de imagem podem ser úteis para a confirmação do problema.

O tratamento pode exigir medicamentos, repouso e exercícios de reabilitação. Porém, nos casos mais graves, que não apresentam melhora a partir das indicações clínicas, é possível a indicação de cirurgia. Mas, nesse cenário, o Pilates surge como uma opção tanto para o tratamento quanto para a prevenção do problema.

A atuação do Pilates na Síndrome do Piriforme

O Pilates é, portanto, um dos grandes aliados no tratamento e na prevenção da Síndrome do Piriforme.

No tocante à prevenção, é possível utilizar um programa de exercícios de Pilates individualizados que envolvem, sobretudo, alongamento dos músculos glúteos, rotadores internos e externos do quadril. Além disso, é importante trabalhar a mobilização do quadril e dos membros inferiores.

Por sua vez, quando o assunto é tratamento, o Pilates auxilia na recuperação dos movimentos, da força e da flexibilidade dos membros inferiores. Assim, exercícios de transferência possibilitam o retorno do paciente ao esporte e às atividades da vida diária de forma segura e efetiva. Por exemplo, os movimentos que simulam o caminhar, o trote, a corrida, mudanças de direções e saltos.

4 exercícios de Pilates para prevenção e tratamento da Síndrome

Preparamos uma série de exercícios que podem ser realizados em qualquer lugar, a fim de que a integridade do piriforme e músculos associados seja mantida. Ou seja, você conseguirá tanto prevenir o problema, quanto tratá-lo com essa sequência.

1. Adaptação do Leg Stretch Séries do Barril

Adaptação do Leg Stretch para Síndrome do Piriforme image2

 

Posição do corpo: Apoie uma perna estendida ou flexionada sobre uma superfície estável. Procure manter o quadril alinhado.

Movimento: Mantenha-se na posição por alguns segundos e troque de perna. Incline o tronco para a frente, a fim de aumentar o alongamento.

Objetivo: Alongar toda a musculatura posterior da perna e do glúteo.

2. Bridging

Bridging para Síndrome do Piriforme image4

 

Posição do corpo: Mantenha os pés apoiados no chão, com joelhos dobrados e coluna reta.

Movimento: Expire para elevar o quadril até formar uma linha reta do joelho ao peito. Inspire parado nessa posição e expire para retornar ao chão.

Objetivo: Fortalecer a musculatura extensora do quadril e do glúteo.

3. Bent Knee Opening

image5 image6

 

Posição do corpo: Deitado, eleve as pernas e mantenha uma posição de 90 graus para quadril e joelhos.

Movimento: Inspire para deixar as pernas se abrirem de forma controlada e expire para trazê-las de volta à posição inicial. Mantenha a coluna parada. Esse exercício também pode ser feito com os pés no chão.

Objetivo: Iniciar o trabalho da musculatura do core (centro) e o trabalho da musculatura interna e externa da perna.

4. Side Kick

Side Kick para Síndrome do Piriforme image8

 

Posição do corpo: Deite-se de lado, com a perna inferior dobrada e a de cima esticada na linha do corpo. Mantenha a coluna reta.

Movimento: Inspire, trazendo a perna superior para frente e expire, levando-a para trás. Durante todo o percurso da perna, mantenha coluna e quadril parados.

Objetivo: Trabalhar a musculatura do tronco por completo para se manter equilibrado e também a musculatura lateral, anterior e posterior da perna.

Se você conhece alguém que sofre com dores nos glúteos e posteriores da coxa, mande esse artigo.

* Artigo escrito por Bianca Dore, fisioterapeuta, bailarina e educadora de Pilates. Texto atualizado, originalmente publicado em 25 de março de 2016.

+Q Pilates, Atividade Fisica, bem-estar, Bianca Dore, mais que pilates, Movimento, Pilates, Revista Online, Saúde
Post anterior
Pilates e labirintite: uma mistura para lá de interessante

Mais Posts:

Como abrir seu Studio de Pilates

4 dicas para abrir seu estúdio de Pilates

Dicas, Pilates

Ao decidir abrir um estúdio, você assumirá novos desafios que requerem uma preparação para este novo papel: o de empresário. […] Para ajudá-lo na abertura e gestão do seu estúdio, preparamos algumas dicas para ter um negócio bem sucedido no mercado de Pilates no Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Pin It on Pinterest

Share This