Fletcher Variations: evoluído das raízes do Pilates

Ron Fletcher, criador do Fletcher Pilates®, foi um americano coreógrafo, bailarino e elder do Pilates que trabalhou por mais de 20 anos com Joseph e Clara.

Depois da morte de Joe, acerca do fim dos anos de 1960, Ron intensificou sua relação com Clara, e foi orientado a seguir adiante com o trabalho, pois ele era o homem certo para fazer aquilo. Uma advertência foi dada: “…lembre-se sempre dos seus ABCs”. Ron dividia com Clara sua vontade de mudar-se para LA e estudar a fundo a respiração e as sequências de movimento do repertório criado por Pilates. Clara pediu atenção para deixar o método o mais tradicional possível, mesmo com as variações que ele iria propor.

Essa história tem o poder de nos ensinar. Ron cria 5 técnicas exclusivas:

  1. Percussive Breath®
  2. Fundamentos Fletcher®
  3. Fletcher Towelwork®
  4. Fletcher Floorwork®
  5. Fletcher Barrework®.

Estas técnicas refletem as variações incorporadas por Ron ao repertório por ele aprendido com Pilates, tendo como base a experiência dele com outras técnicas, como a de Graham, o balé e a terapia pelo movimento. Pedagogicamente, Ron usou sua experiência como coreógrafo e incorporou transições criativas, assim como uma articulação do corpo e iniciação de movimentos precisas. Nos aparelhos de Pilates, Ron pegou o repertório original e também adicionou variações sobre o mesmo tema.

Assim, quanto mais experimento Pilates, mais vejo que variações foram feitas por todos os elders para o sistema Pilates, mesmo por Kryzanowska ou Carola Trier, muito fiéis ao repertório original. Todos os elders seguiam o mesmo tema, e não criavam outros para este lindo sistema. Sem quebrar a lógica do sistema, por favor!!! “Let the breath inspire you”, claro! Inspiração é a alma do negócio!!! Mas temos muito a aprender primeiro com todos os elders e as variações criadas por eles. Demora até absorver realmente este material no corpo. Para que modificar e abdicar da lógica criada por gênios poucos? Aos elders foi dada esta tarefa: de ajudar a gerar lógica palpável ao sistema Pilates. Mesmo que seja complexa, aberta, e não única, sobre um mesmo tema.

, , , , , , , , ,
Post anterior
Diálogos +Q – parte 2: Diferenças nos aparelhos de Pilates Clássico e Contemporâneo
Próximo post
Exercícios em superfícies instáveis com Rafael Spíndola

Mais Posts:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Menu

Pin It on Pinterest

Share This