Cérebro maior não é sinônimo de mais inteligência, diz estudo

Estudo avaliou dados de 88 pesquisas publicadas anteriormente.

Homens têm cérebro maior, mas não são mais inteligentes que mulheres.

Ter um cérebro maior não é garantia de ter um QI mais alto, já que o que importa é como está estruturada a massa cinzenta – é o que revelou um extenso estudo que cruza os dados de dezenas de pesquisas anteriores. Os dados mostram claramente que os cientistas “superestimaram” a suposta relação entre o tamanho do cérebro e o rendimento intelectual, explicou nesta quarta-feira (14) à agência APA o diretor do estudo, Jakob Pietschnig, da Universidade de Viena.

O pesquisador afirmou que o fator decisivo é “a estrutura do córtex, o mesencéfalo (cérebro médio) e o cerebelo, e o fato de que a matéria branca esteja conectada com a matéria cinzenta de uma forma ótima”.

O estudo foi publicado na revista “Neuroscience & Biobehavioral Reviews” na semana passada, depois que Pietschnig e sua equipe realizaram uma metanálise a partir de mais de 88 estudos, com mais de 8 mil participantes. Os dados mostram que os homens, apresar de terem um cérebro maior do que o das mulheres, não têm mais habilidades cognitivas.

As pessoas com um cérebro anormalmente grande, condição conhecida como megaencefalia, têm em média um rendimento menor nos testes de QI, afirmou Pietschnig. A mesma lógica aplica-se ao reino animal, afirmam os cientistas, que dão como exemplo o cachalote, que com um cérebro de nove quilos deveria ser o animal mais inteligente do planeta, mas não é.

Fonte: g1.globo.com

,
Post anterior
Como fazer da inveja um impulso positivo
Próximo post
A vez dos homens no Pilates

Mais Posts:

Marcela Andrade

Posso praticar em casa?

Pensando sobre esse mover nato, seria egoísmo de nós profissionais da saúde e do movimento, restringir o 01movimento a uma sala de aula. Isso porque, como já disse antes, nossa missão é trazer consciência e autonomia para que possamos realizar todas nossas atividades diárias, de esporte e de lazer com a maior destreza possível, independente de nossa idade cronológica. Ando pensando que nós temos mesmo uma “idade do mover”, mas essa conversa fica pra outro dia!

Ler Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Menu

Pin It on Pinterest

Share This