A fonte da juventude e os 5 ritos tibetanos

Quem não gostaria de encontrar a fonte da juventude?

Uma fórmula que nos fizesse desacelerar o envelhecimento, que pudesse prolongar a vida com destreza, autonomia, confiança e boa saúde!

Certa vez ouvi que as extensões de coluna são a fonte da juventude. Guardei a frase, que fez muito sentido (e ainda faz), mas perdi o autor (pena). De qualquer forma, o conhecimento sempre será passado a frente, e é possível que eu tenha escutado de várias pessoas, ou lido em algum texto ou livro em outras ocasiões.

Livo: “A Fonte da Juventude”

O fato que a frase me levou a encontrar um livro, “A fonte da Juventude”, publicado inicialmente em 1985 por Peter Kelder.

O livro conta a história do autor que conheceu um coronel Britânico que, depois de ouvir muitas histórias sobre lamas e sacerdotes tibetanos que conheciam o segredo da Fonte da Juventude, partiu para a Índia em busca desse conhecimento, transmitido por milhares de gerações em algum lugar remoto nas montanhas do Himalaia.

O Coronel Bradford retorna quatro anos depois, aparentando pelo menos quinze anos mais jovem e conta os segredos que aprendeu com os monges tibetanos ao amigo Peter Kelder.

Uma de muitas coisas importantes que ele narra ter aprendido nesse período no mosteiro, foi que o corpo tem sete centros energéticos que poderiam ser chamados de vórtices (ou chacras) e que cada um destes vórtices controlam as glândulas endócrinas, que regulam todas as funções do corpo, inclusive o processo de envelhecimento.

Num organismo sadio e em jovens, os setes vórtices giram em grande velocidade fazendo com que a nossa energia flua subindo o sistema endócrino. E se alguns desses vórtices diminuir sua velocidade de rotação, a energia fica inibida ou bloqueada, acelerando o envelhecimento ou doença. E para recuperar a saúde, a vitalidade e a juventude é preciso fazer esses vórtices voltarem a girar normalmente.

Os 5 ritos

Os lamas praticavam cinco exercícios, que eles preferiam chamar de ritos, para recuperar e manter esses vórtices de energia equilibrados. Segue um vídeo com a sequência para que vocês possam visualizar.

http://https://youtu.be/x8R2kwNL3ao

 

Os monges o instruíram a praticar os ritos com respirações profundas e pausadas. E que entre um rito e outro, poderíamos ficar em pé respirando profundamente , deixando as tensões se esvaírem do corpo.

Experiência

Como todo ritual, segue uma instrução de praticar cada rito com 21 repetições. Eu tenho experimentado (como uma boa curiosa do movimento) há três meses e comecei com 7 repetições. Atualmente tenho praticado com 11 repetições. Tenho seguido as recomendações de chegar nas 21 com calma, respeitando o corpo.

Achei que seria bacana dividir com vocês leitores essa minha experiência de mover. Pratico Pilates pelo menos 5 vezes por semana e Taekwondo 1 vez na semana. Não tinha o hábito de me mover em casa ritualisticamente e aproveitei o gancho da meditação diária, incluindo esses ritos todos os dias. E acreditem, tem feito toda a diferença na minha rotina, como se eu realmente despertasse meu corpo, pronta pra seguir o dia com destreza!

O quadro atual da nossa área do movimento é muito positivo e esclarecedor com ciência baseada em evidência. Não temos mais medo de nos mover, já que ciência e prática tem nos mostrado que o movimento nos beneficia em diversos aspectos.

Precisamos também dar valor ao “antigo”, aquela sabedoria que é passada de geração em geração, e que tem muito de ciência presente.

Se a Fonte da Juventude existe mesmo, como magia ou um segredo quase inatingível, não podemos afirmar. Mas podemos mover e desfrutar dos benefícios diários de fazer o corpo despertar e energia fluir!

À quem interessar a leitura:
KELDER, Peter. A Fonte da Juventude. São Paulo, Editora Best Seller, 2002

, , , , , , ,
Post anterior
Quarta série do curso básio de GYROTONIC®
Próximo post
Standing Leg Pump com Selma França

Mais Posts:

2 Comentários. Deixe novo

  • Marcela Andrade
    Marcela Andrade
    09/05/2018 2:26 pm

    Olá Junior! Respondi você no facebook também!
    Vou reforçar por aqui..

    Segundo o autor, no primeiro rito giramos no sentido horário com os braços abertos vinte e uma vezes.
    Se você quiser ler o livro na integra, tem e-books gratuitos disponíveis na internet. Vale muito a pena a leitura!

    Abraço, Marcela.

    Responder
  • Não deu pra entender muito bem o primeiro exercicio. Você tem que girar com os braços abduzidos é isso?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Menu

Pin It on Pinterest

Share This