Pilates no tratamento de doenças degenerativas

tratamento de doenças degenerativas

A prática de exercícios físicos bem administrados é indicada durante o tratamento de doenças degenerativas, retardando seus efeitos deletérios e permitindo ao paciente preservar por mais tempo a noção de tempo e espaço. Mas isso não é uma novidade para profissionais de movimento. A novidade pode estar relacionada à prescrição ser mais objetiva ao quadro que se apresenta.

O Ambiente Pilates, por exemplo, é propício para uma cinesioterapia eficaz, porque no seu repertório de exercícios existe um grande espectro de movimentos. Eles perpassam desde o movimento passivo, os que resistem à força das molas, até os que resistem à gravidade.

O sistema de molas do Pilates, e suas diversas e amplas bases de suportes, permitem o conforto em momentos quando se torna mais difícil realizar aquele exercício prescrito no tratamento. Dessa forma, precisamos de um profissional sensível, atento e estudioso para abordar esse paciente/cliente.

Tratamento de doenças degenerativas: como tratar a rigidez muscular

A rigidez muscular tão comum nas chamadas síndromes da imobilidade impede movimento, e o paciente tem a sensação de “travamento”. Muitas vezes, o indivíduo acorda no meio da noite, porque tentou se mover e não conseguiu. Nestes casos, precisamos trabalhar primeiramente com exercícios passivos, para atenuar esse quadro de rigidez. Isso permitirá que o paciente relaxe, libere músculos e articulações . A partir dessa melhora no tônus, portanto, ele pode conseguir mais mobilidade para realizar exercícios ativos (os de alongamento e os de resistência, por exemplo).

Quando a rigidez está instalada, fazer exercícios de resistência pode não ser uma boa opção, e isso precisa ficar claro. Fazê-los quando há contratura e espasticidade pode gerar outros problemas. Ou seja, nesses casos os exercícios passivos e de relaxamento são os mais recomendados.

Instabilidade postural

Para a instabilidade postural, sugerimos exercícios de equilíbrio unipodal, e bipodal (estáticos e dinâmicos), bem como estímulo aos exercícios de estabilização de todo o corpo. Enfatizando que o conceito de estabilização aqui, neste texto, quer dizer ativação de músculos estabilizadores mais mobilidade das articulações dentro de uma tarefa que exige controle motor.

Para os casos onde a postura cifótica comprime o pulmão e o diafragma, no entanto, é importante estimular o princípio da respiração, pois dessa forma tentaremos contrapor a postura que quer se instalar. Simultaneamente, os beneficiamos aumentando o volume e capacidade pulmonar, e assim a elastância e complacência do pulmão, que propicia a mobilização do tronco com mais facilidade.

Além disso, o diafragma fica mais livre para massagear os órgãos e ajudar no movimento dos intestinos. Os portadores do Mal de Parkinson, por exemplo, normalmente têm constipação intestinal, por conta da rigidez que é comum ao quadro e também da medicação.

Exercícios para melhorar a rigidez muscular

Veja sugestões de exercícios do repertório da Physio Pilates/Polestar Pilates Internacional que ajudam no tratamento de doenças degenerativas, em especial no combate à rigidez muscular.

* Texto atualizado, de autoria de Selma França, originalmente publicado em 6 de junho de 2016

+Q Pilates, Atividade Fisica, bem-estar, consciência corporal, mais que pilates, parkinson, Revista Mais Que Pilates, Saúde, Selma França, tratamento
Post anterior
Blog Pilates: tudo sobre Pilates em um só lugar
Próximo post
Dicas de como dar aulas de Pilates em grupo

Mais Posts:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Pin It on Pinterest

Share This