Como tratar lombalgia aguda? Faça Pilates

Saiba como tratar lombalgia aguda

Apesar do nome rebuscado, lombalgia quer dizer, de forma simplificada, dor na região da lombar. Ou seja, na parte mais baixa da coluna, próximo à bacia. Embora seja muito incômoda e algumas vezes até incapacitante, a lombalgia não possui uma causa única e pode decorrer de fatores diversificados. Esse tipo de dor prejudica a produtividade do indivíduo, afeta o humor e até dificulta a realização de tarefas comuns, por isso a necessidade de tratá-la. Na modalidade aguda, ela chega de forma rápida, inesperada, e pode durar até três semanas com uma dor persistente, de intensidade variada. Se você sofre com o problema, uma dica é que você se matricule nas aulas de Pilates. O método Pilates é uma forma eficiente de tratar a lombalgia aguda – e também de preveni-la – e oferece excelentes resultados no combate às dores.

O que causa a dor lombar?

O problema é bastante comum. Tanto é assim, que os dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) demonstram que mais de 80% da população mundo terá em algum momento da vida dores na coluna lombar. Há estudos que apontam a dor lombar como uma das mais populares causas de buscas por consultas médicas. Mas o que gera o problema?

Geralmente, a dor lombar não possui uma causa específica, já que são muitos os fatores que podem influenciar ou causar o problema, sendo os mais comuns: postura incorreta; sobrecarga na coluna (carregar muito peso, por exemplo); lesão muscular; estresse ou outras razões emocionais; trauma decorrente de queda ou de carregar muito peso; curvaturas espinhais anormais; além de uma quantidade considerável de doenças, como hérnia de disco, artrose, infecções, câncer, espondilite anquilosante, dentre outras.

São muitas as estruturas da coluna, como os discos intervertebrais, nervos, músculos, ossos, tendões, ligamentos e articulações. Pensando nessa parte estrutural e mecânica das causas de dor lombar, ressaltamos que na anatomia humana, as chamadas vértebras lombares estão dispostas na parte inferior da coluna. Elas são cinco, denominadas de L1 a L5, responsáveis por sustentar todo o peso da parte superior do corpo humano. Por isso, elas são mais fortes e maiores do que as vértebras da região torácica e cervical, porque precisam ter a estrutura necessária para receber a maior carga dentre todas as vértebras.

Sobre a coluna

A região lombar auxilia em muitos movimentos, sendo maior em extensão, flexão e flexão lateral, e menor em rotação. Já a cervical tem liberdade em todas as direções. A região torácica tem uma importante função de proteção dos órgãos vitais e por isso temos as costelas, que se prendem em ossos na frente e atrás do corpo, tornando-a a parte da coluna que possui menor disponibilidade de movimento. A lombar e a cervical possuem maior liberdade e, por isso, ambas regiões permitem mais movimento. Quando a coluna torácica se torna excessivamente rígida, pode sobrecarregar a lombar e a cervical. Estas duas assumem, nestes casos, a quase totalidade dos movimentos da coluna e isso provoca stress e desgastes. E onde as pessoas sentem mais dores? Adivinha….na base da coluna (lombar) e no pescoço (cervical)!!

Como é feito o diagnóstico da lombalgia aguda?

O diagnóstico da dor na lombar aguda pode ser relativamente simples, mas requer avaliação de um profissional da área clínica. Este fará uma pesquisa detalhada sobre o paciente, para conhecer o seu estilo de vida. A dor pode estar relacionada com questões de outras áreas profissionais, como as emocionais, e, neste caso, o cliente deve ser direcionado para um profissional competente. Na hipótese de outras patologias e até de doenças que não são de ordem exclusivamente mecânica, o médico pode solicitar exames complementares. Há casos, inclusive, em que a lombalgia aguda desaparece sem qualquer tipo de intervenção médica ou medicamentosa.

Porém, se a dor persistir por mais de três semanas ou vier associada a outros sintomas, o paciente precisa ligar o alerta e retornar ou procurar auxílio médicoA dor lombar quando persiste por um período de tempo superior a três meses pode caracterizada como lombalgia crônica. Neste caso, normalmente exames adicionais são também solicitados para investigar a causa do problema e garantir um diagnóstico mais preciso e um tratamento resolutivo.

Alguns dos exames auxiliares para o diagnóstico são o raio x, a ressonância magnética, a tomografia computadorizada, ultrassonografia, e a mielografia. Mas, claro, os exames só são necessários quando o profissional de saúde identificar. Como já falamos, nem sempre são solicitados exames complementares para o diagnóstico da lombalgia, especialmente quando ela é aguda e dura um tempo curto e determinado.

Pilates ajuda a tratar lombalgia aguda

Como tratar lombalgia aguda?

Normalmente, quando o paciente apresenta lombalgia aguda, o problema é tratado sem a necessidade de qualquer medida. Segundo as estatísticas, em cerca de 80% das pessoas acometidas de dor lombar, a dor acaba passando por si própria. Mas nem sempre é assim, há situações em que é necessário algum tipo de intervenção. As opções de tratamento são variadas e vão desde o uso de medicamentos à adoção de terapias alternativas, como a acupuntura e técnicas de massagem.

No entanto, você pode optar por um tratamento mais eficaz e que atue também como prevenção ao problema. E é aqui que o Pilates se encaixa. Com a prática regular do método Pilates, você não apenas tratará as crises de dor lombar, como também reduzirá de forma significativa os seus episódios. E vamos agora saber o porquê de o Pilates ser tão interessante no combate à lombalgia, seja ela aguda ou crônica.

Dicas para tratar lombalgia aguda

De que forma o Pilates ajuda a tratar a lombalgia aguda?

Finalmente chegamos à parte mais interessantes deste artigo. Com as informações que passaremos a partir de agora, você estará a um passo de se libertar das crises de lombalgia. Comecemos então falando do Pilates, que é um método de treinamento, reabilitação e prevenção de lesões, indicado para todos os públicos.

De crianças a idosos, todos podem usufruir dos benefícios do método. Pessoas com deficiência, pessoas com dificuldade de locomoção, portadores de doenças clínicas ou neurológicas encontram no método Pilates um aliado para a promoção da saúde e qualidade de vida. O público do Pilates é bastante amplo, incluindo também as gestantes e os atletas profissionais em busca de performance e melhora de desempenho em suas modalidades.

Mas no caso específico de como tratar a lombalgia aguda, o Pilates tem uma ação bem direcionada e muito eficaz, tanto no tratamento quanto na prevenção do problema. O método é, portanto, uma das principais ferramentas de correção postural e equilíbrio entre mobilidade e estabilidade articular. As dores agudas na lombar têm muita relação com a perda dessa estratégia motora eficiente e adequada na região e nas articulações vizinhas, como quadril e a coluna torácica. O enfraquecimento muscular da região, somado ao excesso de rigidez pela perda de mobilidade das articulações vizinhas, promovem instabilidade na lombar e perda de organização do corpo de forma integrada durante os movimentos.

Com a prática do Pilates, o indivíduo ganha força e consciência, despertando os músculos mais profundos da coluna. Como resultado, o praticante fortalece e “acorda” essa região. Assim, conquista estabilidade na coluna, evitando as dores. Ao ativar a musculatura mais profunda responsável pela estabilização de todo o tronco e mobilizar as articulações vizinhas, o Pilates distribui as forças pelas diversas partes do corpo e torna os episódios de lombalgia aguda cada vez mais raros.

, ,
Post anterior
5 coisas que atrapalham o desempenho no Pilates
Próximo post
Pilates no tratamento da fibrose cística

Mais Posts:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Menu

Pin It on Pinterest

Share This